LIVRO DE OUTUBRO – 2019

Alvorada Cristã

Neio Lúcio

psic. F.C. Xavier

 

As páginas de Neio Lúcio, consagradas à mente juvenil em todos os padrões da experiência física, são, em verdade, valioso curso de iluminação espiritual.

Sementeira de princípios renovadores, aqui encontramos avançadas noções de justiça e bondade para a elevação da vida. E a luta terrestre, em seus fundamentos, ainda mesmo considerada no setor expiatório, resume-se na obra educativa para a eternidade.

A instrução é, sem dúvida, a milagrosa alavanca do progresso. Sem ela, perseveraria a mente humana nos resvaladouros da ignorância, confinada à miséria, à ociosidade, à indigência e ao infortúnio, através da delinqüência na praça pública e da correção na penitenciária.

Mas não basta esclarecer a inteligência, repetiremos ainda e sempre. É imprescindível aprefeiçoar o coração nos caminhos do bem.

(…) Esquecer a infância e a juventude será desprezar o futuro.

Emmanuel

Oração dos jovens

Mestre Amado!

Aceita-nos o coração em teu serviço, e, Se­nhor, não nos deixes sem a tua lição.

Ensina-nos a obedecer na extensão do bem, para que saibamos administrar para a glória da vida.

Corrige-nos o entusiasmo, a fim de que a paixão inferior não nos destrua.

Modera-nos a alegria, afastando-nos do pra­zer vicioso.

Retifica-nos o descanso, para que a ociosi­dade não nos domine.

Auxilia-nos a gastar o Tesouro das Horas, distanciando-nos das trevas do Dia Perdido.

Inspira-nos a coragem, sustando-nos a queda nos perigos da precipitação.

Orienta-nos a defesa do Bem, do Direito e da Justiça, a fim de que não nos convertamos em simples joguetes da maldade e da indisciplina.

Dirige-nos os impulsos, para que a nossa força não seja mobilizada pelo mal.

Ilumina-nos o entendimento, de modo a nos curvarmos, felizes, ante as sugestões da Experiência e da Sabedoria, a fim de que a humildade nos preserve contra as sombras do orgulho.

Senhor Jesus, nosso Valoroso Mestre, aju­da-nos a estar contigo, tanto quanto estás conosco!

Assim seja

(Cap. 50 do livro do mês)

LIVRO DE SETEMBRO – 2019

O Evangelho Segundo o Espiritismo

Allan Kardec

 

Já sabemos de que o Espiritismo é o Consolador Prometido por Jesus, conforme anunciado pelo evangelista João, no capítulo 14, versículos 15 a 26.

Este, portanto, é o livro da codificação que nós espíritas, precisamos dedicar maior atenção, já que ele sintetiza a moral do Cristo em sua essência e é capaz de estabelecer uma linguagem comum entre todas as religiões.

Allan Kardec dedicou uma atenção toda especial para selecionar as mensagens dos Benfeitores que o assistiam e os versículos do Novo e Velho Testamentos, demonstran-do-nos que as revelações se completam de modo a preparar a nova era que em breve se iniciará.

A Humanidade hoje enfrenta graves de testemunhos e só o Evangelho esclarecido à luz da razão e vivido no coração poderá oferecer os recursos para consolidação de nossa fé e confiança no futuro.

Causas atuais das aflições

De duas espécies são as vicissitudes da vida, ou, se o preferirem, promanam de duas fontes bem diferentes, que importa distinguir. Umas têm sua causa na vida presente; outras, fora desta vida.

Remontando-se à origem dos males terrestres, reconhecer-se-á que muitos são consequência natural do caráter e do proceder dos que os suportam.

Quantos homens caem por sua própria culpa! Quantos são vítimas de sua imprevidência, de seu orgulho e de sua ambição!

Quantos se arruínam por falta de ordem, de perseverança, pelo mau proceder, ou por não terem sabido limitar seus desejos!

Quantas uniões desgraçadas, porque resultaram de um cálculo de interesse ou de vaidade e nas quais o coração não tomou parte alguma!

Quantas dissensões e funestas disputas se teriam evitado com um pouco de moderação e menos suscetibilidade!

Quantas doenças e enfermidades decorrem da intemperança e dos excessos de todo gênero!

Quantos pais são infelizes com seus filhos, porque não lhes combateram desde o princípio as más tendências! Por fraqueza, ou indiferença, deixaram que neles se desenvolvessem os germens do orgulho, do egoísmo e da tola vaidade, que produzem a secura do coração; depois, mais tarde, quando colhem o que semearam, admiram-se e se afligem da falta de deferência com que são tratados e da ingratidão deles.

Interroguem friamente suas consciências todos os que são feridos no coração pelas vicissitudes e decepções da vida; remontem passo a passo à origem dos males que os torturam e verifiquem se, as mais das vezes, não poderão dizer: Se eu houvesse feito, ou deixado de fazer tal coisa, não estaria em semelhante condição.

Os males dessa natureza fornecem, indubitavelmente, um notável contingente ao cômputo das vicissitudes da vida. O homem as evitará quando trabalhar por se melhorar moralmente, tanto quanto intelectualmente.

(E.S.E. cap V item 4)

LIVRO DE AGOSTO – 2019

Constituição Divina

Richard  Simonetti

 

            “CEQUESSU”

 

A direção da faculdade decidira promover um debate sobre assuntos de atualidade, solicitando aos alunos que sugerissem, por escrito, os temas.

Houve várias indicações: violência, inflação, tóxico, suicídio, loucura,… Uma delas era decididamente estranha: “cequessu”. Somente após várias consultas, um velho professor de Português, concluiu que aquele “cequessu” significava “sexo”.

Fora esse o tema escolhido pelo estudante que, como tantos outros, se alfabetizara na adolescência, transitou precariamente pelo supletivo ginasial e colegial e, num exame elementar de seleção, ingressou no curso superior. Um semianalfabeto na faculdade, por falta de vivência escolar, de convívio com os livros, em aprendizado metódico e disciplinado.

Assim como acontece em relação à língua pátria, há muita gente iletrada, espiritualmente, cursando a Universidade da Vida. São pessoas incapazes de distinguir, em profundidade, o certo do errado, a virtude do vício, o bem do mal, confundindo-se e se comprometendo, frequentemente, em erros elementares de julgamento.

Importante considerar, entretanto, que estamos na escola terrestre exatamente para superar nossa ignorância espiritual, nosso atraso moral. Desfrutando os benefícios do esquecimento temporário, que nos permite superar paixões e fixações que precipitaram nossas quedas em vidas anteriores, podemos, desde que convenientemente preparados, operar nosso ajuste às Leis Divinas.

É bastante ilustrativo que nas mocidades espíritas, em instituições bem orientadas, raros jovens viciam-se no fumo. Não que sejam submetidos a rígidas discipli­nas, a uma proibição rigorosa. Simplesmente os moços são esclarecidos, durante anos, desde as aulas de evange­lização infantil, sobre o problema, preparando-se, inclu­sive, para enfrentar as pressões do ambiente escolar, dos clubes sociais, das reuniões com os amigos, onde o ado­lescente adere ao vício simplesmente para não se sentir deslocado, diferente, inseguro…

Daí a importância da iniciação religiosa em bases de escolaridade, desde a mais tenra infância, a fim de que o Espírito que inicia a romagem terrena seja preparado pa­ra a observância das Leis Divinas, aproveitando integral­mente as oportunidades de edificação da jornada huma­na e vivenciando corretamente, na Universidade da Vi­da, os grandes temas morais, sem fazer confusões do tipo “cequessu”.

(adaptação de texto do livro do mês)