Trechos da mensagem inicial do livro NOSSO LAR

A vida não cessa. A vida é fonte eterna e a morte é jogo escuro das ilusões.

[…] Cerrar os olhos carnais constitui operação demasiadamente simples.

Permutar a roupagem física não decide o problema fundamental da iluminação, como a troca de vestidos nada tem que ver com as soluções profundas do destino e do ser.

Oh! caminhos das almas, misteriosos caminhos do coração! É mister percorrer-vos, antes de tentar a suprema equação da Vida Eterna! É indispensável viver o vosso drama, conhecer-vos detalhe a detalhe, no longo processo do aperfeiçoamento espiritual!…

Seria extremamente infantil a crença de que o simples “baixar do pano” resolvesse transcendentes questões do Infinito.

Uma existência é um ato. Um corpo – uma veste. Um século – um dia. Um serviço – uma experiência. Um triunfo – uma aquisição. Uma morte – um sopro renovador.

Quantas existências, quantos corpos, quantos séculos, quantos serviços, quantos triunfos, quantas mortes necessitamos ainda?

[…] A existência humana apresenta grande maioria de vasos frágeis, que não podem conter ainda toda a verdade. Aliás, não nos interessaria, agora, senão a experiência profunda, com os seus valores coletivos. Não atormentaremos alguém com a ideia da eternidade. Que os vasos se fortaleçam, em primeiro lugar. Forneceremos, somente, algumas ligeiras notícias ao espírito sequioso dos nossos irmãos na senda de realização espiritual, e que compreendem conosco que “o espírito sopra onde quer”.

Livro de Julho

NOSSO LAR

André Luiz – psic. F.C.Xavier

Você já leu este livro?

A leitura desta obra representa a abertura para uma visão mais clara sobre a realidade da vida espiritual que nos aguarda a todos e o verdadeiro espírita não pode deixar de buscar a formação desta visão.

Por este motivo, ao analisar a expressão de Jesus “Meu reino não é deste mundo”, no capítulo II do Evangelho Segundo o Espiritismo, Kardec afirma que “sem a vida futura, nenhuma razão de ser teria a maior parte dos seus preceitos morais, donde vem que os que não crêem na vida futura, imaginando que ele apenas falava na vida presente, não os compreendem, ou os consideram pueris.”

Mas se você já leu, até mais de uma vez, porque não relê-lo? A releitura de uma obra desta magnitude sempre nos remete a reflexões novas que não sugiram na primeira leitura, porque nossa experiência de vida hoje é maior.

Alguns artigos do Código penal da vida

1º – A alma ou Espírito sofre na vida espiritual as conseqüências de todas as imperfeições que não conseguiu corrigir na vida corporal. O seu estado, feliz ou desgraçado, é inerente ao seu grau de pureza ou impureza.

2º A completa felicidade prende-se à perfeição, isto é, à purificação completa do Espírito. Toda imperfeição é, por sua vez, causa de sofrimento e de privação de gozo, do mesmo modo que toda perfeição adquirida é fonte de gozo e atenuante de sofrimentos.

10º – O Espírito sofre, quer no mundo corporal, quer no espiritual, a conseqüência das suas imperfeições. As misérias, as vicissitudes padecidas na vida corpórea, são oriundas das nossas imperfeições, são expiações de faltas cometidas na presente ou em precedentes existências.

16º – O arrependimento, conquanto seja o primeiro passo para a regeneração, não basta por si só; são precisas a expiação e a reparação. Arrependimento, expiação e reparação constituem, portanto, as três condições necessárias para apagar os traços de uma falta e suas consequências. O arrependimento suaviza os travos da expiação, abrindo pela esperança o caminho da reabilitação; só a reparação, contudo, pode anular o efeito destruindo-lhe a causa. Do contrário, o perdão seria uma graça, não uma anulação.

17º – O arrependimento pode dar-se por toda parte e em qualquer tempo; se for tarde, porém, o culpado sofre por mais tempo. Até que os últimos vestígios da falta desapareçam, a expiação consiste nos sofrimentos físicos e morais que lhe são conseqüentes, seja na vida atual, seja na vida espiritual após a morte, ou ainda em nova existência corporal. A reparação consiste em fazer o bem àqueles a quem se havia feito o mal.

20º – Quaisquer que sejam a inferioridade e perversidade dos Espíritos, Deus jamais os abandona.

LIVRO DE JUNHO – 2018

O Céu e o Inferno

Allan Kardec

Está sendo comemorado, neste ano, os 160 anos da publicação deste livro, que é um dos cincos livros principais da Codificação.

Nele estão contidas anotações de Kardec sobre os ensinamentos dados pelos Espíritos a respeito da justiça divina. Nota-se a inspiração dos  Espíritos que o assistiram na elaboração de toda a Codificação.

Além do depoimento de diversos Espíritos nas mais variadas condições espirituais, o que constitui a 2ª parte desta obra, na 1ª parte Kardec faz uma análise preciosa das diversas correntes filosóficas que ainda hoje persistem sobre os destinos da alma após a morte, tais como: o céu, o inferno, o purgatório, os anjos, os demônios, etc.

Em um dos capítulos notáveis, onde é apresentada a visão espírita sobre as penas futuras, Kardec escreve o Código penal da vida futura, em que fica patente a justiça divina sob um prisma lógico e consolador.

Isso explica o nome completo que foi dado ao livro: O Céu e o Inferno ou a justiça divina segundo o Espiritismo.

Ressentimento, culpa, ciúme e ansiedade

É compreensível o surgimento de uma certa frustração e mesmo de desagrado diante de confrontos e de agressões promovidos por outrem, dando lugar a mágoas, que são uma certa aflição de caráter transitório, não, porém, à instalação do ressentimento. Segundo Spinoza, “a emoção que é sofrimento deixa de sê-lo no momento em que dela formamos uma ideia clara e nítida”. Enquanto fixada em algum dos instintos básicos, a emoção é geradora de sofrimento, em face dos impositivos de que se reveste, como fenômeno sem controle, como capricho decorrente de imaturidade psicológica.

[…]Duas são as causas psicológicas da culpa: a que procede da sombra escura do passado, da consciência que se sente responsável por males que haja praticado em relação a outrem e a que tem sua origem na infância, como decorrente da educação que é ministrada. A culpa é resultado da raiva que alguém sente contra si mesmo, voltada para dentro, em forma de sensação de algo que foi feito erradamente.

[…]Porque não consegue manter um bom nível de autoestima, (o ciumento) acredita não merecer o carinho nem o devotamento de outrem, afligindo-se, em razão do medo de perder-lhe a companhia. Esse tormento faz-se tão cruel, que se encarrega, inconscientemente, de afastar a outra pessoa, tornando-lhe a convivência insuportável, em face da geração de contínuos conflitos que o inseguro se permite.

[…]O quadro de ansiedade varia de um para outro indivíduo, embora, as características sintomatológicas sejam equivalentes. Estressando-se com facilidade, em razão da falta de autoconfiança e de harmonia interna, o paciente tende a padecer transtornos depressivos, quase sempre de natureza bipolar, com graves ressonâncias nos equipamentos neuronais.

(Trechos dos capítulos 5 a 8 do livro do mês)