AS NÚPCIAS DE CANÁ

[…] Há dois meses que Ele saira de Nazaré, deixando a carpintaria com as ferramentas em silêncio.

Há pouco Ele estivera em Betabara, no Jordão, e deixara-se batizar… Seguira logo depois ao grande testemunho das tentações. Já havia convocado os primeiros companheiros, e os fatores propiciatórios do ministério se reuniam.

Maria se encontrava em Caná. Convidada, como foram Jesus e os discípulos, antecedera-O. Ela abraçou-a ao chegar com inaudita ternura. Ela O aguardava com ansiedade  crescente e afeto desmedido. A cena comovente estava assinalada pelas expectativas de felicidade da mãe saudosa que se renovava no carinho do filho terno que a afagaria.

[…] Maria, diligente amiga da família, acompanhava as cenas e rejubilava-se com todos. A presença do filho era-lhe felicidade para o coração.

[…] No transcorrer das festas, Maria percebeu que o vinho não poderia atender à insaciedade de todos e recorreu, aflita, ao filho. Ela sabia da Sua procendência, do Seu poder, e resolveu interceder junto a Êle pela família.

De certa forma será ela desde ali a perene intercessora perante o filho em favor das criaturas humanas de todos os tempos. Far-se-á sublime mediadora a partir de então entre Jesus e os homens.

(trecho do capitulo 2 do livro do mês)

LIVRO DE NOVEMBRO

Até o fim dos tempos

Amélia Rodrigues – psic. Divaldo P. Franco

Quando encarnada, foi notável poetisa, professora emérita, escritora consagrada, teatróloga, legítimo expoente cultural das Letras na Bahia.  Amélia Rodrigues, viveu entre nós de maio de 1861 a agosto de 1926.

Após o seu desencarne, encontrou, na mediunidade de Divaldo P. Franco, o canal de  suas expressões literárias, agora voltada para a narrativa do Evangelho de Jesus e Sua passagem pela Terra. Apresenta-nos Jesus com um colorido agradável que a narrativa mais contemporânea requer, já que a leitura crua dos Evangelhos exige uma maturidade sobre a cultura dos tempos de Jesus, especialmente sobre a dos hebreus, que a maioria de nós ainda não temos.

Este é um dentre outros mais de dez livros. Eles nos transportam para a Palestina e faz-nos viver a experiência dos Seus apóstolos e discípulos, bem como entender a política da época e os costumes dos povos onde Jesus veio trazer Sua mensagem que ficaria “Até o fim dos tempos”…

… ATÉ O FIM DOS TEMPOS

Tudo na Sua vida é uma aparente contradição que se enriquece de legitimidade em cada passo, após acurada reflexão.

Negando o mundo, Ele é o Senhor do mundo.

Falando sobre a vida, doa a Sua em legado de inexcedível amor.

Desde antes do nosso tempo, permanecerá até o fim dos tempos!…

Começando no anonimato, prossegue desconhecido, quanto mais é comentado.

Filho de Deus por excelência, conclama todos os homens a desvelarem o seu deus oculto e alcançarem o Supremo.

Seus silêncios são mais altissonantes que Suas palavras.

Os Seus não-feitos, tem um significado psico-sociológico mais poderoso do que os Seus atos.

[…] Junto ao poviléu e entre os malcheirosos Ele esplende de beleza sem os humilhar, destacando-se pela grandeza moral, sem os ferir, arrebatando-os sem se impor…

Jesus é único!

(trecho da introdução do livro do mês)

LIVRO DE OUTUBRO

DIVALDO E O JOVEM

Compilação de Délcio Carlos Carvalho

 

Tivemos a feliz oportunidade de presenciar vários encontros de Divaldo Franco com os jovens. Foram momentos de sublime enlevo, horas que passavam como se poucos segundos fossem, tal o encanto, a magnitude dos mesmos. Quando ele inicia, não há mais espaço para nada: absorvemo-nos integralmente; cativa-nos, aprisiona-nos nas dúlcidas teias de seu amor. Entregamo-nos em ávida expectativa, confiantes da sua grandeza e sabedoria, fruindo o inebriante vapor do conhecimento, embalsa-mando-nos em sua ternura.

Em uma daquelas ocasiões, na cidade de Osório (RS), Divaldo respondeu diversas questões a que fôra instado, surgindo daí uma abordagem sobre o Mundo Espiritual, que compilamos e que transcrevemos nesta publicação, referta de narrativas, observações, exemplificações, seguidas de perguntas e respostas de expressivo significado, que oferecemos ao querido leitor, antecedida de alguns inesquecíveis contos que profere em sua brilhante trajetória de orador incomparável, enfeixada no presente livro.

O CÉU EXISTE OU NÃO?

Na consciência do ser humano, existe sim. Também, num lugar determinado, onde há plenitude de consciência do Espírito. Quando nos libertarmos das nossas paixões e formos a um local espiritual de paz, esse será um Mundo Celeste. Mas, sem o carater eterno, sempre, portanto, provisório, facultando outro estágio mais elevado. Igualmente corresponde ao que se denomina inferno, como sendo o Umbral, uma região purgatorial, de sofrimento, sempre porém transitório. O carater de eternidade tem validade enquanto dura a aflição. Tudo está, portanto, em estágio relativo, porque absoluto é somente Deus.

Somos igualmente eternos a partir de quando fomos criados, porque não temos ideia de fim, enquanto o inferno termina quando o indivíduo muda de atitude mental e se eleva espiritualmente. Figurativamente, podemos dizer: ”…o meu remorso é um inferno…”; ”… a minha consciência de culpa é um inferno eterno…”. Na hora em que peço perdão à minha vítima, entro no céu, porque terminou o meu conflito.

(pergunta feita a Divaldo P. Franco – do livro do mês)