O ESPIRITISMO NO BRASIL

O Brasil está cheio de ideologias novas, refletindo a paisagem do século; cabe aos bons operários do Evangelho concentrar suas atividades no esclarecimento das almas e na educação dos espíritos.

Todas as fórmulas humanas, dentro das concepções que exprimam, por mais alevantadas que se afigurem, são perecíveis e transitórias. A política sofrerá, no curso dos séculos, as alternativas do direito da força e da força do direito, até que o planeta possa atingir relativa perfeição social, com a cultura generalizada. A Ciência, como a Filosofia e as escolas sectárias, viverá entre dúvidas e vacilações, assentando seus feitos na areia instável das convenções humanas. Só o legítimo ideal cristão, reconhecendo que o reino de Deus ainda não é deste mundo, poderá, com a sua esperança e o seu exemplo, espiritualizar o ser humano, espalhando com os seus labores e sacrifícios as sementes produtivas na construção da sociedade do futuro.

Conhecedores dessa grande verdade, supliquemos a Jesus se digne derramar do orvalho de seu amor sobre os vermes da Terra.

Que as falanges de Ismael possam, aliadas a quantos se desvelam pela sua obra divina, reunir o material disperso e que a Pátria do Evangelho mais ascenda e avulte no concerto dos povos, irradiando a paz e a fraternidade que alicerçam, indestrutivelmente, todas as tradições e todas as glorias do Brasil.

(Humberto de Campo – trecho final do livro do mês)

LIVRO DE AGOSTO

Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho

Espírito Humberto de Campos

Psic. F.C.Xavier

 Os dias tumultuados que vivemos na vida política atual nos faz pensar nos destinos de nosso país. Mas, quando a palavra de Jesus esteve tão atualizada quanto nesses dias em que nossa fé é colocada em prova?

A palavra dos Benfeitores Espirituais sempre reflete a expressão do Mestre: “Tende bom ânimo! Eu venci o mundo!”

Deste modo, nossos ideais não podem se restringir às vitórias passageiras, nem muito menos às supostas derrotas. Assim, a leitura deste livro nos ajudará a ver a longa trajetória da “Pátria do Evangelho” definida por Jesus renovando-nos o entendimento dos momentos atuais para que não percamos o otimismo.

Humberto de Campos nos revela neste livro o programa de evangelização das almas, falidas do Velho Mundo, mas desejosas de colaborar com a construção do Reino dos Céus na Terra a começar pelo “Coração do Mundo”.

Trechos da mensagem inicial do livro NOSSO LAR

A vida não cessa. A vida é fonte eterna e a morte é jogo escuro das ilusões.

[…] Cerrar os olhos carnais constitui operação demasiadamente simples.

Permutar a roupagem física não decide o problema fundamental da iluminação, como a troca de vestidos nada tem que ver com as soluções profundas do destino e do ser.

Oh! caminhos das almas, misteriosos caminhos do coração! É mister percorrer-vos, antes de tentar a suprema equação da Vida Eterna! É indispensável viver o vosso drama, conhecer-vos detalhe a detalhe, no longo processo do aperfeiçoamento espiritual!…

Seria extremamente infantil a crença de que o simples “baixar do pano” resolvesse transcendentes questões do Infinito.

Uma existência é um ato. Um corpo – uma veste. Um século – um dia. Um serviço – uma experiência. Um triunfo – uma aquisição. Uma morte – um sopro renovador.

Quantas existências, quantos corpos, quantos séculos, quantos serviços, quantos triunfos, quantas mortes necessitamos ainda?

[…] A existência humana apresenta grande maioria de vasos frágeis, que não podem conter ainda toda a verdade. Aliás, não nos interessaria, agora, senão a experiência profunda, com os seus valores coletivos. Não atormentaremos alguém com a ideia da eternidade. Que os vasos se fortaleçam, em primeiro lugar. Forneceremos, somente, algumas ligeiras notícias ao espírito sequioso dos nossos irmãos na senda de realização espiritual, e que compreendem conosco que “o espírito sopra onde quer”.

Livro de Julho

NOSSO LAR

André Luiz – psic. F.C.Xavier

Você já leu este livro?

A leitura desta obra representa a abertura para uma visão mais clara sobre a realidade da vida espiritual que nos aguarda a todos e o verdadeiro espírita não pode deixar de buscar a formação desta visão.

Por este motivo, ao analisar a expressão de Jesus “Meu reino não é deste mundo”, no capítulo II do Evangelho Segundo o Espiritismo, Kardec afirma que “sem a vida futura, nenhuma razão de ser teria a maior parte dos seus preceitos morais, donde vem que os que não crêem na vida futura, imaginando que ele apenas falava na vida presente, não os compreendem, ou os consideram pueris.”

Mas se você já leu, até mais de uma vez, porque não relê-lo? A releitura de uma obra desta magnitude sempre nos remete a reflexões novas que não sugiram na primeira leitura, porque nossa experiência de vida hoje é maior.

Alguns artigos do Código penal da vida

1º – A alma ou Espírito sofre na vida espiritual as conseqüências de todas as imperfeições que não conseguiu corrigir na vida corporal. O seu estado, feliz ou desgraçado, é inerente ao seu grau de pureza ou impureza.

2º A completa felicidade prende-se à perfeição, isto é, à purificação completa do Espírito. Toda imperfeição é, por sua vez, causa de sofrimento e de privação de gozo, do mesmo modo que toda perfeição adquirida é fonte de gozo e atenuante de sofrimentos.

10º – O Espírito sofre, quer no mundo corporal, quer no espiritual, a conseqüência das suas imperfeições. As misérias, as vicissitudes padecidas na vida corpórea, são oriundas das nossas imperfeições, são expiações de faltas cometidas na presente ou em precedentes existências.

16º – O arrependimento, conquanto seja o primeiro passo para a regeneração, não basta por si só; são precisas a expiação e a reparação. Arrependimento, expiação e reparação constituem, portanto, as três condições necessárias para apagar os traços de uma falta e suas consequências. O arrependimento suaviza os travos da expiação, abrindo pela esperança o caminho da reabilitação; só a reparação, contudo, pode anular o efeito destruindo-lhe a causa. Do contrário, o perdão seria uma graça, não uma anulação.

17º – O arrependimento pode dar-se por toda parte e em qualquer tempo; se for tarde, porém, o culpado sofre por mais tempo. Até que os últimos vestígios da falta desapareçam, a expiação consiste nos sofrimentos físicos e morais que lhe são conseqüentes, seja na vida atual, seja na vida espiritual após a morte, ou ainda em nova existência corporal. A reparação consiste em fazer o bem àqueles a quem se havia feito o mal.

20º – Quaisquer que sejam a inferioridade e perversidade dos Espíritos, Deus jamais os abandona.